Publicidade

Colinas do Sul

“Consciência limpa é o melhor travesseiro”, afirma comerciante ao devolver dinheiro recebido por engano da Prefeitura de Colinas do Sul

Quantia de R$ 3.835,00 do Fundo Municipal de Saúde (FMS) de Colinas serviria ao pagamento de uma loja de auto-peças em Niquelândia, mas acabou indo parar na conta bancária de Paulino Batista Vieira, de 42 anos, que formalizou devolução do recurso público à gestão do prefeito Adriano Passos (PR): honestidade

O que você faria se, de repente, aparecesse na sua conta bancária um dinheiro que você não estava esperando? E se esse dinheiro não fosse seu? Num cenário de dificuldades econômicas, talvez muitas pessoas não pensariam duas vezes em ficar quietinhas, não é mesmo?

Porém, o comerciante Paulino Batista Vieira, de 42 anos – que possui uma loja de utilidades domésticas e produtos variados na região central de Niquelândia – não teve dúvidas em ser honesto ao constatar que, na sua conta bancária, havia entrado a quantia de R$ 3.835,00 do Fundo Municipal de Saúde (FMS) da Prefeitura de Colinas do Sul, uma das cidades mais carentes do Estado de Goiás.

Na manhã da sexta-feira (19), o comerciante esteve na Delegacia da Polícia Civil de Niquelândia onde detalhou o fato completamente inusitado ao delegado Gerson José de Sousa, com o intuito de formalizar as circunstâncias do ocorrido, como prova de sua total lisura.

No relato que fez à autoridade policial, Paulino disse que não tem por hábito verificar com frequência o saldo disponível em sua conta corrente no Banco do Brasil da cidade do Norte do Estado.

Assim sendo, funcionários da Prefeitura de Colinas do Sul telefonaram para Paulino na sexta-feira (12) informando que houve um equívoco administrativo no cadastro de fornecedores do FMS; e que os R$ 3.835,00 creditados na sua conta eram, na verdade, destinados ao pagamento de serviços prestados à prefeitura pela empresa Paulim Auto-Peças, de manutenção mecânica/automotiva, também sediada em Niquelândia.

Extrato da conta de Paulino no BB em Niquelândia [com  o grifo em vermelho] com a confirmação de que o comerciante havia recebido dinheiro que não esperava da Prefeitura de Colinas do Sul [Reprodução: Portal Excelência Notícias]
Como se sabe, em cidades pequenas, nem sempre o nome das pessoas é pronunciado de acordo com a grafia correta, registrada na Certidão de Nascimento.

Então, dessa forma, não é difícil acreditar que “Paulim” tenha sido confundido com “Paulino” pela Prefeitura de Colinas do Sul, motivando assim que o dinheiro da prefeitura fosse creditado no último dia 5 de julho na conta do comerciante de utilidades domésticas.

Ainda na ocorrência registrada à pedido de Paulino no DP de Niquelândia, existe a informação que ele procurou o BB para tentar estornar o dinheiro à conta de origem do Município de Colinas do Sul.

Porém, consta ainda que a instituição financeira o orientou uma TED (Transferência Eletrônica Disponível) para formalizar a devolução dos R$ 3.835,00 ao FMS, o que ele fez no primeiro dia útil após a ligação da prefeitura, ou seja, no último 15 de julho, uma segunda feira.

O comprovante dessa transação, inclusive, foi anexada pela autoridade policial ao Registro de Atendimento Integrado (RAI) da Policia Civil, para resguardar a licitude de Paulino à rápida resolução do problema.

Horas depois, na tarde da sexta-feira (19), o Portal Excelência Noticias procurou Paulino Batista para que comentasse o caso, bastante curioso. Na entrevista, o comerciante disse que não percebeu rapidamente a existência do “recurso extra” justamente por não ter o hábito de verificar constantemente seu saldo bancário, até mesmo porque não estava esperando receber depósito de nenhuma pessoa ou empresa.

Segundo ele, a transferência equivocada de recursos da Prefeitura de Colinas do Sul à sua conta de Pessoa Jurídica ocorreu, muito provavelmente, porque ele possui cadastro no banco de dados da Secretaria de Finanças de Colinas.

Para o município administrado pelo prefeito Adriano Passos (PR), Paulino forneceu materiais escolares; de limpeza; e diversos produtos de armarinhos; em função de um contrato que celebrou com a municipalidade mediante licitação por 12 meses – entre maio de 2017 e maio de 2018 – vínculo este que foi encerrado de forma consensual entre o comerciante a prefeitura, na ocasião, uma vez que Paulino não participou da nova licitação.

HONESTIDADE GARANTE ALMA TRANQUILA – “Eles (a prefeitura) me pagaram tudo, certinho, e eu não tinha mais nada a receber. Por isso, logo no primeiro horário que o banco estava aberto, conversei com o gerente e fiz a transferência desses R$ 3.835,00 para o mesmo destino da origem do recurso, ou seja, o FMS de Colinas. Resolvi esse problema rapidamente, de forma voluntária, pois aprendi com o meu pai (Elísio Batista Vieira) que a consciência limpa e tranquila é o melhor travesseiro. Gosto de ser honesto e correto nas coisas que eu faço. Apesar da época difícil que todos nós – do comércio e de vários setores – estamos vivendo com a economia do País, a honestidade é – e sempre será – uma atitude muito nobre que garante paz e tranquilidade à nossa alma”, comentou Paulino, na entrevista exclusiva ao Excelência Notícias.

O COMPROVANTE – Tão logo foi possível, na manhã da segunda-feira/15, Paulino Vieira devolveu o recurso público, que recebeu de forma equivocada, ao Fundo Municipal de Saúde de Colinas do Sul [Reprodução: Portal Excelência Notícias]
Palavras-chave

Veja também

Botão Voltar ao topo
Fechar