Publicidade

Política

Do anonimato ao “estrelato”: após 10 meses, primeira-dama Juliana Campos supera desafios da vida pública em Niquelândia

Antes habituada a cuidar da casa, dos filhos e do marido - o atual prefeito Fernando Carneiro (PSD) - secretária de Assistência Social teve de se adaptar às repentinas mudanças na vida pessoal desde junho do ano passado: período de aprendizado

Vivenciando inédita experiência na vida pública em Niquelândia, a primeira-dama Juliana Alves Campos tem se destacado nos bastidores da política da cidade do Norte do Estado por sua postura rigorosa como fiel escudeira do marido-prefeito Fernando Carneiro (PSD), de 50 anos.

Atual secretária municipal de Assistência Social, Juliana é natural de Dom Aquino, cidade de 8 mil habitantes, no interior do Mato Grosso.  Já o prefeito, que é médico, assumiu o cargo em junho do ano passado após vencer eleição suplementar como fruto do afastamento do então prefeito Valdeto Ferreira (PSB) do comando do Executivo.

Ao contrário do esposo que se notabilizou como um médico muito querido de seus pacientes em Niquelândia – fato esse que contribuiu e muito com sua eleição à prefeitura, sobretudo com o voto das camadas mais populares – Juliana Campos era uma figura desconhecida do grande público.

Bastante reservada, a primeira-dama de Niquelândia não é muito dada a entrevistas. Porém, aos poucos, está acostumando-se ao assédio da imprensa local e de outras cidades dada a exigência natural da função que hoje ocupa.

Na última semana – por ocasião da atividade “Assistência Vai Até Você, no Povoado Muquém – Juliana Campos topou conversar com o Portal Excelência Notícias sobre essa repentina guinada na sua vida que, por mais precauções que sejam tomadas, a deixa superexposta em alguns momentos.

ALEGRIA – “Olha, a receptividade ao meu trabalho tem sido muito boa. Eu não esperava tanto pois, como você mesmo disse, eu sou uma pessoa muito retraída. Esse carinho das pessoas está sendo muito positivo para mim. Hoje, percebo que estou tendo melhor desenvoltura no contato com a população e, após esses dez meses, notar que as pessoas estão muito agradecidas pelo meu trabalho me traz uma sensação muito gratificante. Felizmente, conto também com o apoio dos nossos secretários, que são muito experientes me ajudam bastante. Dessa forma, acaba não ficando tão pesado para mim”, comentou a primeira-dama de Niquelândia.

Mesmo assim, ainda de acordo com Juliana Campos, esses 10 meses na condição da mais importante figura feminina do município no ambiente político foram muito desafiadores.

Antes caseira e mais habituada à rotina de cuidar da casa, dos filhos e do marido antes do “estrelato” (no bom sentido) por assim dizer,  a primeira-dama considera que a experiência do dia a dia na Prefeitura de Niquelândia é “extremamente difícil” tanto pela curiosidade que o cargo naturalmente desperta na população; como pela imensa agenda de compromissos públicos que precisa cumprir, inclusive com viagens para Goiânia e para Brasília.

DETERMINAÇÃO – “Eu tento não focar minha atuação em questões negativas e nas críticas infundadas que às vezes eu recebo, no ambiente político. Nesse momento, o que me basta é conseguir realizar um trabalho bem feito à Assistência Social em prol da nossa sociedade. Tenho muitos sonhos e projetos nessa área para fazer um bom trabalho nas comunidades como esses mutirões que realizamos no Faz Tudo e no Muquém; programas para o desenvolvimento de crianças e adolescentes; e de apoio incondicional aos idosos. Nós, da Assistência Social, ainda precisamos chegar em mais locais onde as pessoas realmente necessitam do nosso apoio enquanto Poder Público”, detalhou Juliana Campos.

AMADURECIMENTO – “A receptividade ao meu trabalho tem sido muito boa. Eu não esperava tanto pois sou uma pessoa muito retraída. Por isso, tento não focar minha atuação em questões negativas e nas críticas infundadas que às vezes eu recebo, no ambiente político”, comentou Juliana Campos [Foto: Elaine Alves]
Palavras-chave

Veja também

Botão Voltar ao topo
Fechar