Publicidade

Niquelândia

Polícia Civil procura segurança que atirou e matou vaqueiro no Faz Tudo

Adriel de Sousa Jesus, de 22 anos, foi baleado no peito por volta das 23h50 da noite do sábado (24): abordagem teria ocorrido após ele e irmão regressarem para casa depois de terem saído a procura de algo para comer numa lanchonete que realiza festas no povoado

Um homem ainda não-identificado – que trabalhava como segurança de uma festa numa lanchonete do Povoado Faz Tudo, em Niquelândia – é o principal suspeito da Polícia Civil da cidade do Norte do Estado pela autoria do único disparo que tirou a vida do vaqueiro Adriel de Sousa Jesus, de 22 anos. Ele foi baleado no peito por volta das 23h50 do sábado (24).

Ele foi socorrido por outros dois seguranças da festa ao Hospital Municipal Santa Efigênia, onde o óbito foi constatado por volta das 2h30 da madrugada deste domingo (25), de acordo com a ocorrência inicialmente atendida pela Polícia Militar (PM).

Em depoimento prestado na DP de Niquelândia o pai de Adriel – Sebastião Geraldo de Jesus, de 60 anos – disse que ele e o filho chegaram do trabalho por volta das 22h30 do sábado (24). O rapaz possuía carteira de trabalho e não teria antecedentes criminais, de acordo o pai.

Em seguida, o jovem assassinado saiu numa moto em companhia de seu irmão – Daniel Henrique de Sousa de Jesus, de 18 anos – na procura de algum lanche para comerem.

Ainda de acordo com o pai, tão logo Adriel e Daniel regressaram e estacionaram a moto na porta da casa da família, um dos seguranças da festa teria pegado Daniel pela gola da camisa.

Foi nesse momento que Adriel, segundo o pai, interviu para questionar a ação.

De imediato, detalhou Sebastião, o segurança agora procurado pela PC, sacou um revólver e atirou na direção de Adriel, também de acordo com a ocorrência registrada conjuntamente pela PM e PC.

PC FAZ SIGILO SOBRE AUTORIA – “O que eu posso adiantar, nesse momento, é que nós já temos uma linha de investigação com fortes indícios da autoria deste homicídio, que não estávamos esperando nesse final de semana. Porém, preferimos ainda não divulgar esse provável nome, para resguardar o sigilo das nossas investigações. Havia muitas pessoas naquele local (a lanchonete no Faz Tudo) e, com o relato das testemunhas, é bem possível a nós (da PC) fecharmos logo o desfecho desse caso, que terá sequencia de suas apurações com o delegado de Niquelândia, meu particular amigo, o doutor Cássio (Arantes do Nascimento)”, comentou o delegado Rafhael Neris Barbosa, titular do DP em Uruaçu, que respondeu pelo plantão em Niquelândia neste final de semana.

Palavras-chave

Veja também

Botão Voltar ao topo
Fechar