Publicidade

Uruaçu

Polícia Civil mostra ‘gosto amargo’ da cadeia à ladrão que furtava Nutella em supermercado

Câmeras de segurança do estabelecimento de Uruaçu flagraram Rafael Barros da Silva ao longo de um mês, praticando seguidos furtos de potes de creme de avelã: prejuízo de mercado chegou a R$ 1 mil

O delegado Rafhael Neris Barboza, titular da Delegacia da Polícia Civil em Uruaçu, realizou uma curiosa prisão em flagrante na tarde da quinta-feira/6, na cidade do Norte do Estado.

Por mais incrível que possa parecer, câmeras de segurança de um supermercado em Uruaçu flagraram por diversas vezes, por cerca de um mês, um indivíduo que praticava furtos no interior do estabelecimento.

Até aí, nenhuma novidade, pois é até corriqueiro esse tipo de ocorrência inclusive por parte de pessoas que, em situação de desespero por falta de dinheiro, cometem pequenos furtos para alimentar crianças, por exemplo.

Mas, e o que dizer de um ladrão que furtava potes de Nutella? Isso mesmo, o indivíduo identificado pela Polícia Civil como sendo Rafael Barros da Silva tinha bom gosto, até mesmo porque o produto feito a base de creme de avelã com cacau e leite – embora seja o mais popular do mundo – o preço não é dos mais acessíveis.

Um quilo do produto, que é vendido em potes, para se ter uma ideia, chega a custar entre R$ 80,00 e R$ 100,00. Ou seja, algo equivalente a quatro quilos de carne de primeira.

“Ele demonstrava ser um ‘apreciador voraz’ desse produto pois as imagens das câmeras de monitoramento do supermercado mostravam que ele sempre furtava apenas os potes de Nutella”, comentou o delegado de Uruaçu.

Rafael, o ‘comedor de Nutella’, foi abordado pelos investigadores da DP de Uruaçu tão logo praticou o furto da guloseima, ao sair do mercado, na tarde de ontem.  O estabelecimento, segundo a autoridade policial, já tinha registrado R$ 1.000,00 de prejuízo somente com o furto de Nutella.

De acordo com o delegado Rafhael Neris, além de ser sido autuado em flagrante pela sequência de furtos do mesmo produto, o indivíduo acabou sendo recolhido à Unidade Prisional de Uruaçu (UPU) pois possuía mandado de prisão em seu desfavor, expedido pelo Poder Judiciário, pela prática anterior de furto.

Ele era foragido do regime semi-aberto desde dezembro de 2016. A autoridade policial, entretanto, não soube informar se o paladar apurado de Rafael por creme de avelã teria sido o motivo de sua prisão anterior pelo mesmo crime.

O autor já registrava três passagens pela polícia por furto; uma por estelionato; e uma de violência doméstica, com enquadramento pela Lei Maria da Penha.

Palavras-chave

Veja também

Botão Voltar ao topo
Fechar