Publicidade

Niquelândia

Nova plantação de 5 mil pés de maconha, encontrada pelo Graer, estava em estado de abandono

Grupo de Rádio Patrulha Aérea (Graer) da PM em Goiás, juntamente com o Comando de Operação de Divisas (COD), encontrou duas novas áreas de cultivo do entorpecente nesta quinta-feira (6), como desdobramento da operação de queima e destruição dos 9 mil pés achados na semana passada: suspeita é que tudo era liderado pelo grupo criminoso morto em confronto

Duas novas áreas na zona rural de Niquelândia, onde houve o encontro de mais 5 mil pés de maconha na quinta-feira (6), eram possivelmente administradas pelo mesmo grupo criminoso que morreu em confronto com o Comando de Operação de Divisas (COD) da Polícia Militar (PM) na semana passada, entre a região dos povoados Muquém e Acaba Vida.

Essa é a principal suspeita do major Rodrigo Barbosa, comandante do Grupo de Rádio Patrulha Aérea (Graer) da PM em Goiás, levantada pelo oficial em entrevista à uma emissora de televisão de Goiânia no início da tarde desta sexta-feira (7).

“Cruzamos algumas informações de testemunhas e vizinhos  – fazendeiros e chacareiros – de que haveriam outros pontos de plantação nessa região. Pela forma que a roça foi encontrada – em estado de abandono, meio que às pressas – nós acreditamos que o mesmo bando, liderado pelo traficante ‘Zezinho’ – que entrou em confronto na semana passada com a Polícia Militar – também dominava essa nova roça do ‘cultivo’. Então, em função do confronto da semana passada, nosso pensamento é que houve também o abandono dessa área encontrada ontem em Niquelândia”,  afirmou o comandante do Graer, na entrevista que concedeu na capital.

Segundo ele, o sobrevoo realizado na cidade do Norte do Estado para destruir e incinerar o restante da plantação de 9 mil pés de maconha acabou por vislumbrar essa nova lavoura da planta que dá origem à substância entorpecente.

A primeira plantação havia sido encontrada pelo COD na grande operação realizada entre a segunda-feira (27) e a sexta-feira (31), em Niquelândia.

Na ocasião, houve confronto entre os militares do COD (fortemente armados com fuzis 762 e carabinas 556) e os traficantes: um deles morreu na noite da terça-feira/28, mas seu corpo fora localizado na manhã da quarta-feira/29.

Dois dias depois (no dia 31/05) – outros seis também morreram. Um oitavo indivíduo – sobrevivente e fugitivo da operação – foi preso na quarta-feira com 58 quilos de maconha pela PM no município de Água Fria de Goiás, que faz divisa com Niquelândia através do Povoado Buriti Alto.

Neste retorno ao município – quando o Graer recebeu apoio do COD e do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) da PM de Niquelândia – foram incineradas cerca de 5 toneladas de maconha, entre plantas e droga já colhida.

O helicóptero Falcão 2, do Graer, precisou ser novamente acionado em razão do difícil acesso à plantação, trajeto que esse que não é feito por veículos.

FOGO PÕE FIM À ROÇA DO TRÁFICO - Militares do COD e Graer complementaram operação de semana passada realizando a queima de mais de 5 toneladas de maconha, entre pés de canabis sativa e sacos da erva já ressecada [Foto: Divulgação COD-Graer/PMGO]
FOGO PÕE FIM À ROÇA DO TRÁFICO – Militares do COD e Graer complementaram operação de semana passada na zona rural de Niquelândia realizando a queima de mais de 5 toneladas de maconha, entre pés de canabis sativa e sacos da erva já ressecada [Foto: Divulgação COD-Graer/PMGO]
“Trata-se de uma região montanhosa e bastante perigosa, repleta de vales, em que nós (do Graer) tivemos dificuldade para chegar mesmo com o uso da nossa aeronave”, comentou o major Rodrigo Barbosa.

Ainda de acordo com o comandante do Graer, os moradores das proximidades das áreas entre o Muquém e o Acaba Vida eram coagidos pelos detentores das plantações de maconha para se manterem em silêncio, muito provavelmente.

“Eles (os moradores da região) tinham informações da existência dessas áreas. Essa operação, felizmente, causou um grande prejuízo ao mundo criminoso – não apenas diretamente, pela retirada da circulação dessa droga, um mal que assola nossa  sociedade como um todo – mas gera também um impacto indireto à redução de todos os demais índices de criminalidade como roubos, furtos e homicídios (especialmente entre guerras de facções, pelo domínio dos pontos do tráfico) que fomentam esse mundo criminoso”, afirmou o comandante do Graer.

Segundo o major Rodrigo Barbosa, com as grandiosas apreensões de maconha realizadas em Niquelândia, a PM goiana contabiliza 16 toneladas de drogas retiradas de circulação desde janeiro deste ano, após a posse do governador Ronaldo Caiado (DEM).

(com informações da TV Anhanguera/Goiânia)

Veja também

Botão Voltar ao topo
Fechar