Publicidade

Niquelândia

Recursos do FMCDA com respaldo do MP e Assistência Social garantem 120 kits de uniformes e mochilas à Apae

Evento ocorreu na manhã da última sexta-feira/26, oportunidade em que a presidente da entidade, Porfira Queiroz, reforçou atuação da primeira-dama Juliana Campos e do presidente do CMDCA, Reneval Pires, em benefício dos assistidos

Com aval do Ministério Público (MP) de Niquelândia – que supervisiona a destinação dos recursos do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente (CMDCA) – a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) do município entregou uniformes e mochilas para seus assistidos, na última semana.

Os trâmites burocráticos à aquisição de 120 mochilas e 240 jogos de uniformes (dois para cada aluno da Apae) foram viabilizados pelo presidente do CMDCA, Reneval Vaz Pires; e pela primeira-dama Juliana Alves Campos, que também é a atual secretária de Assistência Social de Niquelândia.

Reneval Pires, atual presidente do CMDCA, e a primeira-dama de Niquelândia, Juliana Campos, explicaram como foi a articulação que garantiu a entrega dos benefícios à Apae [Foto: Divullgação]
De acordo com a presidente da Apae, Porfira Moreira de Paiva Queiroz – que faz esse trabalho social há mais de 15 anos – o singelo evento realizado na manhã da sexta-feira/26 é uma sequência das parcerias encaminhadas pela entidade, para se manter viva.

Ano passado – numa reunião do CMDCA, onde a Apae faz parte com dois membros – Porfira descobriu a existência de recursos recursos disponíveis no Fundo Municipal para Atendimento dos Direitos da Criança e do Adolescente (FMADCA) para a elaboração de projetos.

Abnegada naquilo que faz, por ter dois sobrinhos portadores de deficiência em sua família, Porfira Moreira de Paiva Queiroz [à dir.] comanda a Apae de Niquelândia há mais de 15 anos: felicidade na entrega das mochilhas e uniformes novos [Foto: Divulgação/Apae]
O primeiro deles, também sob acompanhamento do MP, foi viabilizado em setembro de 2018 quando a Apae inaugurou uma brinquedoteca.

Na oportunidade, além do apoio do MP para essas realizações, a presidente da entidade também destacou que a Promotoria de Justiça de Niquelândia têm se mostrado muito sensível às causas da Apae de uma maneira geral.

Segundo Porfira, parte dos recursos oriundos de “transações penais” no Poder Judiciário (acordos para substituição de pena, em delitos de natureza leve) são fruto da mediação feita pelo MP local para que a punição de pessoas tipificadas como autores em Termos Circunstanciados de Ocorrências (TCOs) possa ser revertida para necessidades mais urgentes da Apae de Niquelândia.  Porfira também destacou que Juliana Campos e Reneval Pires têm demonstrado máxima dedicação à entidade.

Reneval Pires, que preside atualmente o CMDCA, é conhecido em Niquelândia por sua seriedade e dedicação nos projetos em que se dispõe a dar sua colaboração: credibilidade à toda prova [Foto: Divulgação]

Veja também

Botão Voltar ao topo
Fechar